Lisboa agora tem um ‘cat cafe’: cafeteria em que gatos circulam no ambiente

Por Giuliana Miranda

Lisboa juntou-se a outras capitais europeias e acaba de inaugurar seu primeiro ‘cat café’, uma modalidade de cafeteria em que gatinhos são parte integrante do estabelecimento.

O “Aqui há Gato” abriu as portas na semana passada e atraiu tantos curiosos que precisou reduzir seu horário de funcionamento para não estressar os felinos.

A proposta de ter os bichanos como parte integrante de cafeterias e casas de chá surgiu no Japão, um país em que a população tem uma forte ligação com esses animais. Nos últimos anos, o conceito veio se popularizando na Europa, com casas abertas em cidades como Viena, Budapeste, Berlim e Madri.

O consumo de alimentos só pode acontecer em uma área separada dos gatos | Imagem: Giuliana Miranda
O consumo de alimentos só pode acontecer em uma área separada dos gatos | Imagem: Giuliana Miranda

Como boa apaixonada por gatos, fiz questão de ir conhecer de perto o recém-inaugurado cat cafe lisboeta.

Com decoração neutra e algumas imagens de gatos nas paredes, o café é dividido em dois ambientes independentes mas visíveis através de várias paredes de vidro.

Por questões sanitárias, os animais não circulam no primeiro espaço, e é somente nesta área em que são servidos alimentos.

Para entrar na outra sala, onde há mesas, cadeiras e as tão aguardadas estrelas felinas, é preciso pagar um ingresso de 3€ (cerca de R$ 12,2), que dá direito a permanecer uma hora na sala e ainda beber um chá, café ou água.

A 'sala dos gatos' tem capacidade máxima de 15 visitantes | Crédito: Giuliana Miranda
A ‘sala dos gatos’ tem capacidade máxima de 15 visitantes | Crédito: Giuliana Miranda

Quem consome 5€ ou mais no local ganha o direito de entrar no espaço dos gatos por uma hora sem precisar pagar a mais por isso.

Crianças menores de 12 anos não podem entrar na salinha dos felinos, e eu presenciei alguns pais bastante frustrados com a proibição.

Uma vez lá dentro, uma espécie de biblioteca ampla com mesas e poltronas, a interação com os bichos é livre. Há algumas opções de brinquedos. Não é permitido alimentar os animais. Dentro dessa salinha, é permitido apenas o consumo de bebidas.

Visitantes podem interagir com os gatinhos | Imagem: Giuliana Miranda
Visitantes podem interagir com os gatinhos | Imagem: Giuliana Miranda

Alguns dos bichos são mais interativos do que outros, mas todos bastante dóceis.

COMPONENTE SOCIAL

O projeto –que obteve parte do financiamento através do programa televisivo Shark’s Tank– tenta incentivar a adoção de animais abandonados e deficientes, em parceria com a ONG SOS Rafeiros (a expressão equivalente a vira-latas aqui em Portugal).

Um dos simpáticos gatinhos "rafeiros" do café | Imagem: Giuliana Miranda
Um dos simpáticos gatinhos “rafeiros” do café | Imagem: Giuliana Miranda

A ideia é mostrar que os gatos sem raça definida e especiais também podem ser alegres e carinhosos. Eu me apaixonei pelo Baguete, cego de um olho e muito versado nas malandragens típicas dos felinos.

Quem se animar, pode adotar um dos bichinhos ou contribuir com a organização.

Um dos simpáticos gatinhos "rafeiros" do café | Imagem: Giuliana Miranda
Um dos simpáticos gatinhos “rafeiros” do café | Imagem: Giuliana Miranda

VALE A PENA?

O conceito é bem interessante, mas vale mais para quem tem particular interesse nos felinos.

O serviço da cafeteria é lento e os preços são bem acima dos praticados na cidade.

É possível ajudar uma organização que resgata e acolhe animais | Imagem: Giuliana Miranda
É possível ajudar uma organização que resgata e acolhe animais | Imagem: Giuliana Miranda

****

Mais Ora Pois!

Já conhece a página do Ora Pois no Facebook? Faça uma visitinha e fique sempre por dentro das atualizações.

O blog também está no Instagram: @orapoisblog. Por lá você encontra belas imagens e muitas dicas de Portugal.