UFRJ e Universidade do Porto assinam acordo de revalidação automática de diplomas de engenharia

Por Giuliana Miranda

Um acordo inédito assinado entre a UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e a Universidade do Porto, em Portugal, deve facilitar —e muito— a vida de estudantes brasileiros e portugueses.

A partir de agora, os diplomas de engenharia terão validação automática entre as duas instituições.

Hoje, o processo de reconhecimento de um diploma estrangeiro no Brasil é lento, burocrático bastante trabalhoso, uma vez que requer uma minuciosa análise curricular. Não raro, o processo se arrastar por meses e, em casos mais extremos, leva até alguns anos.

O tratado, assinado no fim de julho em Portugal, põe fim à necessidade de análise curricular para a revalidação dos diplomas entre a UFRJ e a Universidade do Porto, sendo o reconhecimento automático.

Agora, os estudantes da UFRJ e da Universidade do Porto terão suas graduações reconhecidas pela outra instituição em um prazo máximo de 30 dias.

“Esse acordo é algo inédito no Brasil.  Isso significa que as duas instituições têm o máximo grau  de confiança recíproca. Estamos atestando que os diplomas emitidos na Universidade do Porto têm a qualidade reconhecida pela Poli  [escola de engenharia da UFRJ]”, conta o reitor da UFRJ, Roberto Leher, em entrevista à Folha.

Pela parte da UFRJ, estão contemplados pelo acordo os cursos de graduação em engenharia civil, engenharia ambiental, engenharia eletricista, engenharia de controle e automação, engenharia de eletrônica e computação, engenharia de produção, engenharia de computação e informação, engenharia mecânica, engenharia metalúrgica e engenharia de materiais.

União Europeia

Além garantir a entrada no mercado português para os estudantes da UFRJ, o tratado permitirá, devido aos acordos de validação e circulação, também a abertura de portas na União Europeia para esses engenheiros.

Para o reitor da UFRJ, Roberto Leher, o convênio deve favorecer ainda os intercâmbios de pesquisa entre Brasil, Portugal e o resto da Europa.

“É uma mudança profunda de horizonte acadêmico. É algo que nos motiva muito, porque isso certamente vai resultar, no futuro, em uma ampliação de projetos de pesquisa brasileiros, incluindo a presença de professores portugueses”, conta.

O reitor conta que o fluxo de estudantes entre Portugal e Brasil tem sido muito intenso nos últimos anos.

“É visível que hoje nós temos um maior engajamento de estudantes brasileiros para buscar novos percursos profissionais e de formação em Portugal. Quando o Brasil estava em um momento econômico melhor, em uma situação política melhor, vieram também muitos portugueses. Agora, com a crise, esse fluxo reduziu um pouco, mas nós acreditamos que cada vez mais teremos esse intercâmbio”, conta.

Outros cursos

A UFRJ está em negociação com a Universidade do Porto para ampliar o acordo para outros cursos além da engenharia.

Além disso, há ainda negociações em andamento com a Universidade de Lisboa.

“Estamos avançando com a Faculdade de Medicina e de Farmácia. Queremos que as tratativas possam ser ampliadas para outras áreas.  Há uma disposição da nossa universidade, e também das universidades portuguesas”, diz Leher.

Mais Ora Pois