Portuguesa faz sucesso com livro de autoajuda para se comunicar com animais

Giuliana Miranda

No concorrido universo das terapias alternativas e da autoajuda, o trabalho de uma portuguesa que diz conseguir se comunicar com os animais —e ainda ensinar outras pessoas a fazê-lo— tem atraído cada vez mais atenção.

Formada em veterinária e com vários anos de experiência em cirurgia de animais, Marta Guerreiro dos Santos um dia se viu sem conseguir fazer seu trabalho. De uma hora para a outra, ela achou ter começado a entender aquilo que os bichos “diziam”.

“Passou a ser muito difícil ser cirurgiã veterinária. Os animais muitas vezes indicavam que não queriam passar pela eutanásia ou que um determinado procedimento seria totalmente inútil”, conta.

PIONEIRISMO

Seu primeiro livro, batizado de “Conversas com Animais” (ed. Lua de Papel), em que sintetiza uma jornada de descobrimento, mistura argumentos, ora embasados pela ciência, ora meramente espirituais, sobre aquilo que podemos aprender com nossos colegas de quatro patas.

Há ainda muitos depoimentos de casos e pessoas que tiveram sucesso com essas experiências.

“A relação entre humanos, cães e gatos é milenar. Há muita gente que diz que ter um animal em casa faz com que se viva mais, porque as doenças ‘vão para os bichos’. Isso não está muito longe da realidade”, diz.

Segundo Marta, a alma pura dos animais muitas vezes “absorve” preocupações, doenças e outras energias negativas de seus tutores.

“Eles literalmente dão a vida por nós. É um amor incondicional”, avalia.

Para ela, em vários casos os tutores podem auxiliar o tratamento dos bichos ao compreenderem, dentro de si próprios, o que poderia estar contribuindo para afetar o animal.

“Não se trata de excluir os tratamentos convencionais, que devem sempre ser usados. A questão é perceber que muitas vezes se vai além disso”, conta.

BRASIL

Com a repercussão do livro, que também foi publicado no Brasil, a fama de Marta Guerreiro dos Santos cruzou o atlântico.

Requisitada para cada vez mais cursos e palestras no Brasil —o próximo acontece agora em junho em São Paulo—, ela destaca o amor que os brasileiros têm pelos animais.

“Os brasileiros gostam muito dos animais e são abertos a compreendê-los melhor, às mensagens que eles querem passar”, diz.

Marta diz que os bichos muitas vezes são os primeiros a notar que há algo de errado com seus humanos.

“Tive contato com uma senhora cuja gata estava sempre subindo no colo e tentando lhe tocar o peito, insistentemente miando. Era uma forma de a gatinha dizer que havia algo errado ali. Um tempo depois, ela finalmente resolveu fazer um exame e identificou um câncer”, diz Marta, que enumera ainda outros casos como exemplo das mensagens que podem ser interpretadas.

Mais recentemente, a portuguesa expandiu suas técnicas também para os domínios humanos.

Recém-lançado, seu segundo livro, “Conversas com a Alma” vai ainda mais fundo nas reflexões espirituais.

Mais Ora Pois