Um dos grandes nomes do fado, Carlos do Carmo morre aos 81 anos em Lisboa

O ano começou com uma notícia triste para os amantes do fado. Um dos principais nomes do gênero, o cantor Carlos do Carmo, 81, morreu na manhã desta sexta-feira (1) em Lisboa. Ele estava internado em um hospital da capital portuguesa após sofrer um aneurisma.

Apelidado de “Sinatra português”, o artista é bastante conhecido pelos brasileiros por sua interpretação de “Lisboa, menina e moça”, um dos mais conhecidos fados portugueses.

Nascido em 21 de dezembro de 1939, justamente na cidade que ajudou a imortalizar, Carmo era filho da também fadista Lucília do Carmo (1919-1998). Seus pais eram proprietários da tradicional casa de fados O Faia, onde começou sua carreira.

Em mais de 50 anos de atividades, Carlos do Carmo se apresentou nas principais salas de espetáculos do mundo, incluindo concertos célebres de Olympia e no Auditório Nacional, em Paris, e no Canecão, no Rio de Janeiro.

Especialistas em música portuguesa afirmam que o artista ajudou a inserir no fado referências externas, incluindo a bossa nova brasileira.

Carmo havia se despedido dos palcos em um grande show em Lisboa, em novembro de 2019, mas não abandonou a música. Ele seguia compondo e gravando. Neste momento, ele se preparava para lançar um novo disco, intitulado “E ainda…”, que deve sair como obra póstuma.

Em Portugal, a morte do cantor teve grande repercussão. O primeiro-ministro, António Costa, decretou luto nacional na próxima segunda-feira (4).